Boletim

Rentabilidade de 2014.


Rentabilidade de 2014.

O ano de 2014 acumulou ganhos para quem correu menos risco. A Renda Fixa fechou com bons resultados, se recuperando das perdas do ano de 2013, ajudados pela alta dos juros da economia brasileira.

Já na Renda Variável, assim como em 2013, apresentou desempenho negativo. Motivos eleitorais somaram-se aos problemas externos, como baixo crescimento da China e a dificuldade da Europa em se recuperar da crise que se arrasta desde 2008, contribuíram para esse péssimo desempenho.

No acumulado do ano, o Perfil Conservador, que tem seus recursos aplicados 100% em Renda Fixa, obteve o melhor desempenho, apresentando uma rentabilidade de 11,49%.

O Perfil Moderado, com aplicação de aproximadamente 15% dos recursos em Renda Variável (os outros 85% aplicados em Renda Fixa), apresentou uma rentabilidade de 9,44% no período.

Já o Perfil Agressivo, que possui cerca de 40% dos recursos em Renda Variável (60% em Renda Fixa) apresentou uma rentabilidade de 6,81% no ano.

O quadro abaixo apresenta a rentabilidade dos perfis comparada a outros índices de mercado.

PERÍODO ACUMULADO CONSERVADOR MODERADO AGRESSIVO CDI* POUPANÇA** IBrX-100***
2014 11,49% 9,44% 6,81% 10,82% 7,08% -2,78%
24 MESES 9,64% 7,24% 4,47% 19,76% 13,90% -5,82%
36 MESES 28,37% 24,18% 19,49% 29,81% 21,28% 5,05%
DESDE INÍCIO
08/2011
37,20% 33,67% 29,11% 35,97% 25,00% 5,05%

(*) CDI – Certificado de Depósito Interbancário: são títulos de emissão das instituições financeiras, que lastreiam as operações do mercado interbancário. A Taxa CDI acompanha de perto a Taxa Selic.

(**) Poupança – investimento financeiro de baixo risco e que consequentemente tem o rendimento mais baixo.

(***) IBr-X – Índice Brasil é um índice de preços que mede o retorno de uma carteira teórica composta por 100 ações selecionadas entre as mais negociadas na BOVESPA, em termos de número de negócios e volume financeiro. Essas ações são ponderadas na carteira do índice pelo seu respectivo número de ações disponíveis à negociação no mercado.

O que esperar para 2015?

O ano de 2015 promete ser no mínimo desafiador. Provavelmente, a desaceleração da economia chinesa e a deterioração das condições europeias permanecem, tendo como único fator positivo a recuperação da economia americana.

Perante tais incertezas, o Comitê de Investimentos da Entidade com a aprovação do Conselho Deliberativo e da Diretoria Executiva optaram por uma gestão mais conservadora, tanto na Renda Fixa quanto na Renda Variável, e a abertura para aplicarmos em Investimentos no Exterior para os perfis Moderado e Agressivo, buscando diminuir o risco por meio da diversificação e aumentar os ganhos em mercados maiores e menos concentrados.

Fonte: Dados RaizPrev

Voltar